quinta-feira, 30 de abril de 2009

Quem é você?


A VIDA



Clique sobre a imagem para ampliá-la (foto ney)

A vida é como o oceano. A tristeza e a felicidade são os ventos. Os pensamentos são montanhas, que se erguem como ilhas. A vida de uma pessoa é o seu veleiro. Uma pessoa em harmonia é aquela que sabe usar os ventos como força para se impulsionar; usar as ilhas para o descanso na sua jornada; apreciar o balanço das ondas. E, ao final da jornada, abrir um sorriso e dizer: A viagem valeu!!! Que você possa agir de forma a transformar sua jornada tranqüila. Porque a nossa vida, segue o rumo que damos à ela. Chao Lung Wen.

VIAGEM NO TEMPO




















Clique sobre a imagem para ampliá-la (photoshop ney).

Em 1949 eu estava com 5 anos - sou aquele menino ali de suspensório segurando a calça curta pelo cós. No primeiro plano de boné sou eu hoje, aos 64 anos. Numa montagem no photoshop colei as fotos nessa imagem antiga da Praça Martim Afonso, centro de Niterói, em 1949. Na verdade, nessa época eu nem conhecia Niterói, pois ainda morava no Rio, onde nasci, na Rua Paissandu, Flamengo. Foi só para fazer uma viagem no tempo.

Não quero adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos para que nunca tenham pressa. Oscar Wilde.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

PENSANDO AQUI... COMENTANDO

Na postagem anterior o belo texto do Vinícius nos faz refletir sobre um mundo possível de se viver intensamente com simplicidade, que se harmoniza em boas e serenas perguntas. É mesmo uma idéia simples e sábia, porque nunca temos todas as respostas.
Mario Quintana, em seu texto AS INDAGAÇÕES, assim se referiu a essas questões: A resposta certa, não importa nada: o essencial é que as perguntas estejam certas.
Mas, vivemos todos muitas indagações da alma e dúvidas do coração, e na busca de respostas encontramos mais perguntas. E se não as fizéssemos certamente nos entenderíamos menos. E sem indagar pararíamos no tempo, e precisamos correr atrás dos nossos sonhos e desejos.
Fernando Pessoa, com tanta alma e lucidez, colocou o tema com muita propriedade, alma e realidade:
Temos todos que vivemos, uma vida que é vivida, e outra vida que é pensada, e a única vida que temos, é essa que é dividida entre a verdadeira e a errada.
Qual porém é a verdadeira, e qual errada, ninguém nos saberá explicar; E vivemos de maneira, que a vida que a gente tem, é a que tem que pensar.

Só que temos a insensatez dos corpos, dos desejos, amores, paixões, que confundem, sofocam, e podem restringir belezas e intensidades do amor. Pudera ser sempre sensato, sossegado, prudente, mas precisa também ser livre e deixar fluir os sentimentos, as emoções e sensações.
E temos espaços a conquistar, realizações, circunstâncias, limitações, contas a pagar, a roda viva que nos leva pra lá e pra cá, o ser digno, ter amor próprio e viver o de todos que nos cercam, ser cidadão...
E só nos resta então dilacerar a alma, e com equilíbrio e amadurecimento encontrar nossas verdades, o que temos de melhor, e nos permitir, sem egoismos, também ser do nosso jeito. ney/

LIBELO




Clique sobre as imagens para ampliá-las (fotos ney)
LIBELO, de Vinícius de Moraes, é um convite à reflexão... Nesse texto ele remexe nossas convicções mais profundas. Mais ainda, diz um artigo de Welington Almeida Pinto, podemos compreender que o "papel do escritor é entender o homem e o mundo com boas perguntas", já dizia o romancista norte-americano Philip Roth.
...
De que mais precisa um homem senão de um pedaço de mar - e um barco com o nome da amiga, e uma linha e um anzol pra pescar? E enquanto pescando, enquanto esperando, de que mais precisa um homem senão de suas mãos, uma pro caniço, outra pro queixo, que é para ele poder se perder no infinito, e uma garrafa de cachaça pra puxar tristeza, e um pouco de pensamento pra pensar até se perder no infinito... De que mais precisa um homem senão de um pedaço de terra - um pedaço bem verde de terra - e uma casa, não grande, branquinha, com uma horta e um modesto pomar; e um jardim - que um jardim é importante - carregado de flor de cheirar? E enquanto morando, enquanto esperando, de que mais precisa um homem senão de suas mãos para mexer a terra e arranhar uns acordes de violão quando a noite se faz de luar, e uma garrafa de uísque pra puxar mistério, que casa sem mistério não tem valor de morar... De que mais precisa um homem senão de um amigo pra ele gostar, um amigo bem seco, bem simples, desses que nem precisa falar - basta olhar - um desses que desmereça um pouco da amizade, de um amigo pra paz e pra briga, um amigo de paz e de bar? E enquanto passando, enquanto esperando, de que mais precisa um homem senão de suas mãos para apertar as mãos do amigo depois das ausências, e pra bater nas costas do amigo, e pra discutir com o amigo e pra servir bebida à vontade ao amigo? De que mais precisa um homem senão de uma mulher pra ele amar, uma mulher com dois seios e um ventre, e uma certa expressão singular? E enquanto pensando, enquanto esperando, de que mais precisa um homem senão de um carinho de mulher quando a tristeza o derruba, ou o destino o carrega em sua onda sem rumo? Sim, de que mais precisa um homem senão de suas mãos e da mulher - as únicas coisas livres que lhe restam para lutar pelo mar, pela terra, pelo amigo...

terça-feira, 28 de abril de 2009

O MAR



Clique sobre a imagem para ampliá-la (quadro ney).

É urgente o amor. É urgente um barco no mar, é urgente destruir certas palavras... odio, solidão e crueldade, alguns lamentos, muitas espadas. É urgente inventar alegria, multiplicar os beijos, as searas, é urgente descobrir rosas e rios e manhãs claras. Cai o silêncio nos ombros e a luz impura até doer. É urgente o amor, é urgente permanecer. Eugénio de Andrade.

Preciso que um barco atravesse o mar lá longe para sair dessa cadeira, para esquecer esse computador e ter olhos de sal, boca de peixe e o vento frio batendo nas escamas. Marina Colasanti.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

domingo, 26 de abril de 2009

NA BEIRA DO MAR II



Foto ney.

As lembranças desagradáveis jogue-as no mar, ande pela areia, aproveite o dia azul, o sol, tente um olhar com mais amor, tolerância, compaixão. Ou sente e fique apreciando a bela natureza, escutando as ondas batendo na areia, sentindo a suave brisa. Tire uma fotografia desse momento... ou não.

Ou faça como na canção de Vinícius e Toquinho: "Um velho calção de banho, um dia pra vadiar, um mar que não tem tamanho e um arco-íris no ar... sentir preguiça no corpo, e numa esteira de vime beber uma água de côco..."

sábado, 25 de abril de 2009

NA BEIRA DO MAR


Clique sobre a imagem para ampliá-la (foto ney)
E numa tarde fria de verão, sentada na beira do mar, foi quando eu me descobri mulher...guerreira, forte, independente, e ao mesmo tempo sensível, querendo amor, carinho e atenção. E quando olhei o mar de volta percebi que tinha deixado pra trás toda a minha inocência... e o mar tocou meus pés de novo, nessa hora eu me senti livre, como se o mar tivesse levado tudo o que já me fez mal...Foi então que eu respirei fundo, fechei os olhos e deixei que o vento, o mar, e o tempo tomassem conta da minha alma, e nesse instante fui feliz. Graycielly.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

CAMINHOS DO TEMPO





Clique sobre as imagens para ampliá-las (fotos ney)

Nos trilhos de ferro e dormentes de madeira, nos trens e bondes, nas ruas de pedra e paralelepípedos, nos muros das casas e sobrados, nas árvores, quintais, jardins, lembro de um caminhar que era mais sereno e harmonioso com a natureza, de se vivenciar etapas, viver as ruas e esquinas, amizades, amores.
Mas os dias de hoje também têm seus encantos, ser urbano e moderno tem seus atrativos, comodidades, tecnologias, maior tempo de vida, saltos para o futuro, então vale o seguir em frente e crescer, buscar o equilíbrio, amadurecer, adaptar-se às mudanças, não perder as esperanças e o jeito verdadeiro e digno de ser como um eterno aprendiz.
Contudo, vale entender também que o olhar apressado da contemporaneidade, embora repleto de rápidas informações, não vai nos dar todas as respostas, podendo mesmo criar mais indagações, por não se ter um tempo maior de perceber e sentir.
Acho que nas fotos acima, embora de imagens estáticas, e mesmo sem a presença humana, podemos ver histórias de vidas, amores, sentimentos, alma.
Isso nos permite reconhecer com maior sensibilidade todas essas identidades que podem nos fazer pensar sobre o caminhar da vida, a essência de cada momento, a fragilidade dessa passagem, que ao mesmo tempo que busca crescimento e metas, é por si só a vida e tudo que nos torna humano.
É através das ARTES e da observação científica que podemos entender todos os passos da humanidade, seus períodos, eras, comportamentos, tradições, costumes, e assim nos compreender melhor. Estão na música, poesia, textos, esculturas, arquiteturas... então tem que ter esse toque humano, alma, sensibilidade, não podemos passar batidos, céleres, frios, inflexíveis, e o contemporâneo também será passado.
Tomara que a velocidade e os saltos para o futuro não cheguem a comprometer etapas, que possamos vivenciá-las numa cadência humana, que as construções não sejam tão frias e sem significado, nos deixem espaços, ar, estações, possibilidades de sentir o caminhar, a vida. ney/

OH MINAS GERAIS

Sou carioca, filho de mineiros, descendente de portugueses, irmão paulista e carioca, brasileiro, cidadão do mundo... sempre é bom viver um pouco dessa alma de Minas Gerais.
Gente, espia só!...
Socê num rupiá os pelinho do corpo, me adiscurpa, mas ocê num é minêro não.
Óia procê vê, tá tudo nos cunforme, música e cenário, tar e quar a gente é.
Duvido qui tenha argum minêro que inda num viu o qui ocê vai vê agorinha...
http://www.youtube.com/watch?v=MTOeXCh5ep4

terça-feira, 21 de abril de 2009

MEU BONDE





Clique sobre as imagens para ampliá-las.

Gostei tanto que comprei um bonde para mim (rs).

OS BONDES DE SANTA TEREZA - RIO

video

Clique em PLAY > na imagem acima. (vídeo ney).

Filmei só um pedacinho, muitas turistas a bordo, nessa viagem belas moças inglesas formavam um animado grupo. Velhos só o bonde e eu que me filmei no final, a máquina até desligou.
São tantas as histórias sobre os bondes. Em frente a casa da minha namorada os bondes passavam a todo momento. No Rio e em Niterói viajei em todas as linhas, e cá estou eu ainda correndo atrás dos bondes, desses bons tempos que deixaram saudades. ney/

http://www.youtube.com/watch?v=FmeEKOs9D-A&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=EB7kNBHGqas

PERDI O BONDE

video

Clique em PLAY > na imagem acima.

"Perdi o bonde e a esperança. Volto pálido para casa". Carlos Drummond de Andrade

http://www.youtube.com/watch?v=EO8FltCU9qQ

IMAGENS DE UMA ARQUITETURA QUE SE MISTURA NO ONTEM E NO HOJE





















Clique sobre as imagens para ampliá-las (fotos ney)
O Rio de muitas arquiteturas



TIRADENTES



Clique sobre a imagem para ampliá-la (foto ney)

Esta foto tirei ontem, colocando em destaque a estátua de Tiradentes. O local tem um belo contexto arquitetônico, infelizmente misturando o Rio antigo (construções da época do império), com imensos arranha-céus. O Palácio Tiradentes foi construído no terreno da "cadeia velha" onde esteve preso Tiradentes. Ali foi também o parlamento imperial, o Congresso Nacional, e é hoje Câmara dos Deputados do Rio de Janeiro. Mais imagem em http://www.flickr.com/photos/claudiolara/255088236/
Cecilia Meireles nos diz bem de Tiradentes em O Romanceiro da Inconfidência:
Por aqui passava um homem- e como o povo se ria! -que reformava este mundode cima da montaria.Tinha um machinho rosilho.Tinha um machinho castanho.Dizia: ‘Não se conhece país tamanho!’‘Do Caeté a Vila Rica,tudo ouro e cobre!O que é nosso, vão levando..E o povo aqui sempre pobre!’Por aqui passava um homem- e como o povo se ria! -que não passava de Alferesde cavalaria!‘Quando eu voltar - afirmava -outro haverá que comande.Tudo isto vai levar volta,e eu serei grande!’‘Faremos a mesma coisa que fez a América Inglesa!’E bradava: "Há de ser nossa tanta riqueza!"Por aqui passava um homem- e como o povo se ria! -‘Liberdade ainda que tarde’nos prometia.Cecília Meireles sabia do que acontecera durante toda a Inconfidência Mineira,e a aquela referência, no poema, à América Inglesa, não foi gratuita. É que os EstadosUnidos, saindo do colonialismo inglês, tomaram conhecimento do preparo da sedição brasileira e Tomas Jefferson, o criador da primeira Constituição americana queria simplesmente falar, se encontrar com Tiradentes. Alguns historiadores acham que talencontro se realizou. http://74.125.47.132/search?q=cache:tHwbaTbWlq0J:www.dombarreto.g12.br/arquivos/temporarios/Assis%2520Brasil/TIRADENTES%2520POESIA%2520E%2520HISTORIA.pdf+Tiradentes+-+poesia&cd=6&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br
Mas vejam o que outros falam da nossa polêmica libertação. Clique em cada triângulo vermelho do "libertas que sera tamen" desse endereço: http://www.blocosonline.com.br/literatura/poesia/temdomes/2006/04/Tiradentes/temdomes.php

segunda-feira, 20 de abril de 2009

VIAGEM NO TEMPO















Clique sobre as imagens para ampliá-las (fotos ney)
Um passeio pelo centro do Rio, o novo e o antigo, de bonde até o bairro de Santa Tereza, voltando no tempo dos trilhos, paralelepípedos, sobrados antigos, muitos turistas, oficinas de artes, restaurantes. Um bom passeio. ney/



domingo, 19 de abril de 2009

FEEDBACK


.
.
.
.
.
.
Falar
Expressar
Enterder
Dizer
Beijar
Abraçar
Conviver
Kafka disse: "Entre muitas outras coisas, tu eras para mim uma janela através da qual podia ver as ruas. Sozinho não o podia fazer".
Dar feedback é um desafio, pois precisamos entender as outras pessoas e a maneira como elas reagem para aprimorar nossa capacidade de dar retorno. E ser capaz de fazer uma “leitura” das outras pessoas não é uma habilidade inata, mas algo que precisamos desenvolver. Vencendo o desafio, estabelecemos um processo de compreensão, respeito e confiança em uma relação. Normalmente as pessoas relutam em acreditar que dar feedback positivo seja de fato mais importante do que dar feedback corretivo. Somos, em geral, rápidos em apontar os erros dos outros e lentos em reconhecer seus acertos.

CALOPSITA

http://www.youtube.com/watch?v=27-N_mtx0GA

sábado, 18 de abril de 2009

OLHOS FECHADOS


















Clique sobre a imagem para ampliá-la (foto ney)

Vejo-a de olhos fechados. Vem sozinha.
Sua veste é uma nuvem que a transporta.
Sou eu que a invento, é uma ilusão só minha.

Sei que ela não existe. Não importa.
Abrindo os braços, pra mim caminha,
Visão antiga que eu julgava morta.

O espírito ama a irrealidade. De onde
Surge a imagem abstrata que se esconde
Em mim? eu tembém eu, vendo-a, tranponho.

A realidade que quer ser sublime
E inventa um nulo amor que só se exprime
No meu recôndito, invísivel sonho. Dante Milano.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

TARDE DE SOL





Clique sobre as imagens para ampliá-las (fotos ney)

Foi uma tarde dessas de sair comigo mesmo, diferente de quando jovem, a turma toda de bicicleta, aventuras, perigos, amizades. A noite contava para a namorada que me achava um herói, e eu me convencia que era. Mesmo que não fosse verdade, ou fosse tipo "quem conta um conto aumenta um ponto", era uma idade de achar, pensar, imaginar, sonhar. Era um tempo de sentar na calçada e contar histórias, enquanto não começava o jogo de bola.
Verdadeiras ou bem inventadas, pairavam cheias de emoções nas almas sonhadoras e audazes da juventude. Ficam sem graça vividas só de realidades. ney/

LUZES DA NOITE














Clique sobre a imagem para ampliá-la (fotos ney)


Cai a noite sobre a cidade... luzes, brilho, magia, lua e estrelas, corpo e alma, sonhos, desejos. ney/

quinta-feira, 16 de abril de 2009

segunda-feira, 13 de abril de 2009

AFRODISÍACO


Clique sobre a imagem para ampliá-la (foto ney)

“…o único afrodisíaco verdadeiramente infalível é o amor. Nada consegue deter a paixão acesa de duas pessoas apaixonadas. Neste caso não importam os achaques da existência, o furor dos anos, o envelhecimento físico ou a mesquinhez das oportunidades; os amantes dão um jeito de se amarem porque, por definição, esse é o seu destino.” (Isabel Allende)

Pensamento


Foto ney.
.
Olho em redor do bar em que escrevo estas linhas. Aquele homem ali no balcão, caninha após caninha, nem desconfia que se acha conosco desde o início das eras. Pensa que está somente afogando problemas dele, João Silva... Ele está é bebendo a milenar inquietação do mundo! Mario Quintana.

domingo, 12 de abril de 2009

VAZIO


















Viver sozinho numa cidade grande, qualquer que seja ela, quando não se conhece ninguém, e estamos longe de tudo e de todos, tráz uma sensação de vazio, de perdido na multidão. Para mim foi uma experiência inesperada e dura, já que família, namorada, amizades e todas as raízes ficaram distantes. Mas não foi uma escolha, fui designado num concurso público, e não poderia perder uma grande oportunidade. Então vamos nos adaptando, conquistando amizades, e essa vivência acaba nos trazendo crescimento e amadurecimento. ney.
Diz aqui um texto do Globo Reporter: "Histórias que se cruzam, romances na noite, sexo e sedução, promessas de felicidade. Multidão e solidão são dois pólos que se atraem. Na grande cidade, é cada um por si. Vive melhor quem sabe se virar sozinho. Mas estudos mostram que a solidão faz mal e só o dinheiro não conta. As pessoas que só vivem para trabalhar e ganhar mais, têm cada vez menos tempo para curtir a vida".
Mario Quintana disse: “Cidade grande: dias sem pássaros, noites sem estrelas”.
E o que Rubem Alves diz do VAZIO: http://www.rubemalves.com.br/ovazio.htm

LUZ E RESSURREIÇÃO



Clique sobre a imagem para ampliá-la (foto ney)

Das trevas renasce a luz...
“Eu sou a luz do mundo; aquele que me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8,12). Jesus, nesta passagem do Evangelho revela-se como sendo Luz do mundo. Ora, Ele mesmo um dia advertiu que “ninguém acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa”. (Mt 5,15)

sexta-feira, 10 de abril de 2009

ROSTO COLADO (cheek to cheek).


Rosto colado é coisa que os jovens de hoje não conhecem como preliminares de um ato de sedução. Nesses bailes de antigamente (que palavra dolorosa!), os jovens rastreavam o salão em busca da garota ideal para iniciar um romance. Caso ela fosse localizada na mesa com os pais, nossas pernas tremiam. Uma cuba libre (rum, coca-cola, gelo e limão), talvez fosse o combustível para encorajar o ato de atravessar o salão e chegar na mesa com o convite, formalíssimo, "vamos dançar?"O "sim" dela poderia significar que também queria dançar, pois os olhos já tinham se cruzado num momento do baile, mas poderia ser apenas o "sim" formal para não dar um "cano" no rapaz audacioso. Neste último caso, a regra que a jovem aprendeu em casa com a mãe casamenteira, era dançar no máximo três para não significar que havia outro interesse a não ser o da boa educação.No entanto, se "pintasse um clima" – ai, Jesus! – as danças se prolongariam por todo o baile e, na hora exata, os rostos se colavam e a sedução começava com uma conversa de ouvido. O ato de seduzir transformava-se numa enciclopédia romântica que valia até mentiras ingênuas.Corta para 2009. Não há mais rosto colado, não há mais bailes, os conjuntos melódicos são apenas boas lembranças e os clubes estão fechando seus salões que tinham a sua boate para os jovens. O beijo roubado, quando as luzes diminuíam de intensidade, era, talvez, o único da noite. Hoje, as garotas ficam apostando quem beija mais garotos numa noite e vulgarizou-se o ato mais sublime de um início de conquista.O baile funk, mais que uma reunião dos jovens de hoje, é um convescote de traficantes em busca de novos babacas para o início de uma vida de vícios. Vale o mesmo para a festa reive e os incidentes estão aí na imprensa para que o colunista não passe por um "velho recalcado".A sedução transformou-se em agressão sexual, para ambos os lados. Sem crack, sem pó, sem baseado, não há sequer uma aproximação de pessoas de sexo diferente. Rosto colado nem mesmo quando o DJ aposta em algo lento para descansar os dedos. Não se dança mais, os requebros e os pulos substituíram os passos cadenciados. O barulho do bate-estaca acabou com o diálogo. Sem diálogo não há sedução, mas pode haver estupro.Fim de papo. Está bem, somos velhos quando falamos em "rosto colado". Mas ninguém pode roubar de nossa memória um tempo mágico onde o cavalheirismo de uma dança fazia-nos flutuar por salões com pessoas especiais. E quem não dançou uma vez na vida de rosto colado não sabe o que perdeu."
Jornalista Responsável: Rogério Mendelski
http://pemalodro.blogspot.com/2009/03/dancar-de-rosto-colado.html

quinta-feira, 9 de abril de 2009

NA ESTAÇÃO

Clique sobre a imagem para ampliá-la.

Passou mais um trem e eu não fui. Fico só na estação tomando um cafezinho e olhando o movimento... quem vai, quem chega, sorrisos, lágrimas, beijos e abraços. A vida não é como o trem, ela está em todo lugar que se queira ou precise ir ou ficar, está dentro de nós, em tudo a nossa volta. Amo a liberdade e vôo alto nos pensamentos, e crio raízes nos sentimentos, vou me entendendo nos sonhos e realidades, entre um e outro busco o equilíbrio e o amadurecimento.
Tive meu tempo de muitas viagens entre Rio e São Paulo, circunstâncias e oportunidades, foram 5 anos prá lá e prá cá, de carro, ônibus, avião e trem. Vivenciei o melhor, cresci, fiz minhas escolhas. Só não vou poder decidir a última viagem.
Mas vale explicar que não eram viagens de passeio, e sim de não perder a grande oportunidade da minha vida conquistada num concurso público, já que fui designado para fora da minha cidade. Por volta das 22 horas deixava a casa da namorada, pegava ônibus até as barcas, atravessava a Baía da Guanabara, e depois outro ônibus até a rodoviária, e por volta da meia-noite embarcava. Nas estações de embarque e desembarque vivemos esses momentos de ir e chegar, e se observa no rosto de cada um diferentes emoções. Eu deixava para trás a namorada, família, amigos, raízes. Chegando na outra cidade tomava banho e ia direto trabalhar, viver uma outra realidade, cidade, amizades, e tudo se repetia a cada semana, num cansaço que a juventude sabia superar, e o espaço conquistado não se podia desperdiçar.
Fernando Pessoa disse "que temos todos uma vida vivida e outra pensada, e nunca saberemos dizer sobre a certa, e vivemos de maneira que a vida que a gente tem é a que temos que pensar". Acho que me entendo também no que o Mario Quintana disse em O VIAJANTE:
“Eu sempre que parti, fiquei nas gares
Olhando, triste, para mim...”

PEIXE NA PÁSCOA




Clique sobre as imagens para ampliá-las (fotos ney).
E se não tivesse o peixe de cada dia na mesa do pescador !? ... Aqui não poder comer carne não é só na sexta-feira santa não, e bacalhau só mesmo lá nas águas da Noruega. ney/

FAMÍLIA RUBRO-NEGRA



















A nora, o filho e o neto domingo no Maracanã... mas a minha família toda é de FLAMENGUISTAS. Essa torcida é mesmo uma nação.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

FELIZ PÁSCOA !


















Clique sobre a imagem para ampliá-la (foto ney).

O sino é um símbolo da Páscoa. No domingo, tocando festivo, os sinos anunciam com alegria a celebração da ressurreição de Cristo. http://www.youtube.com/watch?v=e8Hu88WBSNw

IGREJINHA






















.

Clique sobre as imagens para ampliá-las (fotos ney)
.
Sendo carioca, filho de mineiros, irmão de paulistano, e morador de São Paulo por 5 anos, fez parte da minha vida conhecer essas cidades do interior desses estados, de belas pracinhas, igrejinhas, as priminhas, era um tempo de vida tranquila, de se andar de trem, bonde, lotação , ficaram boas lembranças, cartas, bilhetes, poesias, que sempre me fazem comentar, fotografar e sentir saudades. Essa é a Igreja São Francisco Xavier em Niterói, do tempo dos jesuitas, patrimônio histórico, e onde casei. ney///