terça-feira, 3 de março de 2009

PÔR-DO-SOL COM DIREITO A LUA

























.
Clique sobre as imagens para ampliá-las (fotos ney)

Na quinta foto acima o reflexo nas ondas é da vidraça de um prédio da orla, veja pelas duas sombras na areia do homem caminhando na beira do mar. Mais um dia azul de verão, fevereiro foi ao contrário do janeiro de chuvas, vamos ver março... por enquanto, SOL. E a lua tão bonita fez até charme, só mostrou sua metade.

2 comentários:

Marisa disse...

Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
Depois da luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas a alegria.

Porém se acaba o Sol, por que nascia?
Se formosa a luz é, por que não dura?
Como a beleza assim se transfigura?
Como o gosto da pena assim se fia?

Mas no Sol e na luz, falta a firmeza,
Na formosura não se crê constância,
E na alegria sinta-se tristeza.

Começa o mundo enfim pela ignorância,
E tem qualquer dos bens por natureza
A firmeza somente na inconstância.

Gregório de Matos

ney disse...

Marisa,
Obrigado pela presença e pelo comentário através desse belo texto. Poesia, pintura, música, todas as artes retratam muito do momento vivido pela humanidade. E fui então saber mais do autor, da época, das inconstâncias, e hoje postei uma nova mensagem falando um pouco disso, que chamei de CRESPÚSCULO. Valeu! Abraço/ney.