quinta-feira, 18 de março de 2010

CASAS SIMPLES




foto ney. Foi uma aventura e tanto esse longo caminhar, que explica um pouco esse blog miscelânea de assuntos, já que foram momentos diversos.
Tudo começou na Rua Paissandu das belas residências e palmeiras, onde passava o Presidente com seus batedores para o Palácio do Governo bem próximo. O Rio era Capital do Brasil, morávamos numa vila de casas bem antigas. Depois fomos para Nilópolis, na época subúrbio do Rio, o ir e vir nos trens da Rede Ferroviária Central do Brasil. “Casas simples com cadeiras na calçada, na fachada escrito em cima que era um lar...” (Gente Humilde – Chico Buarque).
Já em Niterói passamos dos trens para as barcas atravessando a Baía da Guanabara. Bons tempos das ruas, jogo de bola, pipas, anos dourados, bailes de formatura. Depois 1 ano de Exército, a faculdade de Economia, 5 anos em SAMPA, os filhos, netos, a aposentadoria. Desejo que ainda tenha chão. E vamos nós seguindo, amando, aprendendo, trocando, crescendo.

Existe muita magia e poesia nesses cotidianos, o som dos trens nos trilhos, das barcas apitando, as bandas tocando nos coretos das pracinhas, os namoros, encontros e desencontros, tudo isso vai ficando e refletindo nas águas do tempo, e nos dizendo em muitos momentos, compondo a música da vida. (ney)

6 comentários:

VANUZA PANTALEÃO disse...

É isso aí, Ney!
" São casas simples com cadeiras na calçada e na fachada, escrito em cima que é um lar..."
"É gente humilde...que vontade de chorar."

É bom termos um passado assim, é bom poder recordar...

A foto está maravilhosa!!!Bjsss

ney disse...

Vanuza,
Obigado. Existe mesmo uma poesia nesses cotidianos, nesses sons dos trens nos trilhos, das barcas apitando, as bandas tocando nos coretos das pracinhas, tudo isso vai ficando e refletindo nas águas do tempo, e nos dizendo em muitos momentos, virando uma música da vida. Abraço/ney.

Amapola disse...

Boa tarde, Ney.
É uma nostalgia boa... é o passar da "carruagem".

Um grande abraço.

ney disse...

Amapola,
É mesmo uma nostalgia boa, uma aventura e tanto. Agora que o caminho é menor, e não temos pressa, vale mesmo ir de carrugem e aproveitar o resto da viagem bem devagar. Abraço/ney.

Irene Moreira disse...

Ney
É isso aí e estou aqui a aplaudir ouvindo as suas músicas compostas por tão linda vida que nos contas.


Beijos e um feliz dia e um bom domingo

ney disse...

Obrigado, Irene, tudo vale mesmo a pena se a alma não é pequena. É uma aventura e tanto essa vida. Abraço. Bom domingo!