domingo, 27 de setembro de 2009

Velhice, baú e museu



Primeira imagem lembrei de O VIAJANTE, Mario Quintana (Baú de espantos): Eu sempre que parti fiquei nas gares... Olhando, triste, para mim...

E na segunda virei peça de museu (rs). Brincadeira carinhosa da amiga Marisa.

3 comentários:

tereza ferraz disse...

neyyy/
Esta Otimo!
abraço grande.

ney disse...

tereza,
Valeu! Ótima semana, muitas histórias encantadas. Abraço/ney.

Marisa disse...

E por falar em viagem....

ESTAÇÃO POESIA

Se a vida não é mais que uma estação
Tão lépida, fugaz, tão passageira,
Momentos se perdendo em meio ao vão
Correndo nesses trilhos, tão ligeira.

Na caminhada em busca da ilusão
Persegue o horizonte, vai faceira
Que o tempo foge lesto pela mão
E esta se esvazia quer não queira.

Melhor é se encantar com a paisagem
Que, em tempos, a janela descortina
Enquanto desenrola essa viagem.

Vai vida, solta a voz que te fascina
Enrola ao mesmo tempo essa coragem
Que o peito de um poeta sempre trina.


Dueto de
Sandra Fonseca e Roque Silveira
Adorei sua postagem com as fotos
Um abraço
Marisa