sexta-feira, 6 de março de 2009

INFÂNCIA LÁ PELOS "ANOS DOURADOS"


Quadro Pipas - Portinari

Pipa, cafifa, estilão, pião, morcego, arraia, linha 10, cerol, cabresto, rabióla, dar dibico, cruzar, cortar, aparar... landola; bola de gude, búlica (marraio, feridô, sou rei); pular corda, amarelinha, pular carniça (pastelão quente, unha de gavião, escrever carta para a namorada); Pular o muro, subir em árvore; futebol de rua (racha, pelada... bola pelo alto não sai, pára a bola que a senhora vai passar); soltar balão (6 folhas, 12, 40 etc. balão pião, tangerina, caixa, com lanterninhas, quadro, fogos); futebol de botão (de galalite, coco, ficha de pôquer, fazer a bainha, passar a gilete, bombril, encerar, folha seca, prepara!); Peteca; jogar taco; jogar malha; brincar de finco; BAFO, bater figurinha; bambolê; iô iô; pião (fieira, camarão, machadinha, rachar); Pique bandeira, bandeirinha, pique esconde; carrinho de rolimã; patinete, velocípede, patins, bicicleta; perna de pau; andar em cima de lata presa com um barbante; puxar lata com areia dentro (arame de eixo e barbante para puxar); guerra de mamona; com as meninas... (boneca, fazer comidinha, anel, pêra/uva/maçã, preencher questionário); bilhar, sinuca; ping pong (cortada, casquinha, queimou).
Dia das crianças o cinema passava, todo ano... O Conde de Monte Cristo (versão bem antiga)... no Cinema Mandaro as cortinas se abriam ao som de Moonlight Serenade (Glenn Miller), e tinha sessão dupla, então levávamos pão com mariola. Aos domingos pela manhã tinha festival Tom e Jerry, seriado Flash Gordon. Se fizesse arte ficava de castigo, e tinha que chegar em casa as dez (22h.). Bons tempos! Lembra ai que ainda tem muita coisa, éramos criativos.
Quando somos crianças queremos ser adultos; quando somos adultos sentimos saudades dos tempos de criança (Ney).
"Quando guri, eu tinha de me calar, à mesa: só as pessoas grandes falavam. Agora, depois de adulto, tenho de ficar calado para as crianças falarem". Mário Quintana.

5 comentários:

Dulce disse...

Coisa mais linda, Ney!!!
Foi lá no fundo da alma com todas essas lembranças... Pena que as crianças de hoje nem saibam do que se trata. Elas nem imaginam a delicia que a vida poderia ser com tantas brincadeiras, com tanta liberdade como as que havia naqueles doces tempos.
Foi uma linda lembrança. Nem dos brinquedos das meninas você esqueceu! Lindo demais esta seu post.
beijo...

heli disse...

Doces lembranças Ney!
A Dulce disse muito bem que fostes ao fundo da alma nas lembranças.
Os tempos mudaram e as crianças de agora nem imaginam as delicias que nosso tempo de infância nos proporcionou.Hoje as crianças nem podem ir para a escola sozinhas, como nós íamos e brincar nas ruas, nem pensar.A violência e a falta de amor entre as pessoas vem roubando das nossas crianças,a criatividade, coisa que tínhamos em abundância nas nossas brincadeiras nos "Anos Dourados".
Adorei seu texto!!!

ney disse...

Obrigado pelos comentários. Doce infância, as brincadeiras de rua, e nem falei das festas juninas, São João, São Pedro e Santo Antonio, fogueiras, batata doce... E "quadrilhas" eram grupos de meninos e meninas dançando (anarriê, anavantur, travessê, balancê). Quadrilha agora é outra coisa, a gente tem que corrê... correr não se sabe prá onde. ney/

Deusa Odoyá disse...

Olá meu novo amigo Ney!!!
Que belas fotos e lembranças.
Como tenho audades da minha infância também.
Não tinhamos tanta responsabilidade num mundo de hoje violnto, flata de emprego, educação a zero, violências a mil.
Naquele tempo poderíamos aproveitar mais.
Tínhamos infância.
Belo sua homenagem aos tempos que já se foram.
POarabnes pelo belo post.
Uma semana de muita paz, prósperas fotos e lindos posts.
Beijinhos doces de sua nova amiga.
Regina Coeli.
Apareça em meu cantinho, viuuuuuu.

ney disse...

Regina,
Seja bem-vinda! Obrigado pelo comentário e pela presença. Apareça sempre! Vou lá conhecer seu cantinho. Pensei que fosse a Regina do Banco, por causa do sobrenome. Paz, saúde e alegrias. ney//